A paradoxal face 'hipermoderna' do processo constitucional: Um olhar sobre o direito processual brasileiro - Núm. 2-2010, Noviembre 2010 - Revista de Estudios Constitucionales - Libros y Revistas - VLEX 300418714

A paradoxal face 'hipermoderna' do processo constitucional: Um olhar sobre o direito processual brasileiro

Autor:Jânia Maria Lopes Saldanha
Cargo:Doutora em Direito da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - São Leopoldo, RS, Brasil. Professora dos Cursos de Mestrado, Doutorado e Graduação em Direito da mesma Universidade
Páginas:675-706
RESUMEN

Análise da relação entre pós-modernidade, neoliberalismo e hipermodernidade e a consequência sobre as reformas processuais brasileiras que estabelecem a celeridade e a quantificação como os metavalores da jurisdição.Analysis of the relationship between post-modernity, neoliberalism and hypermodernity and the consequence on the Brazilian processual reforms that establish the celerity and the... (ver resumen completo)

 
EXTRACTO GRATUITO

Page 675

Estudios Constitucionales, Año 8, Nº 2, 2010, pp. 675 - 706. ISSN 0718-0195
Centro de Estudios Constitucionales de Chile Universidad de Talca

“A paradoxal face ‘hipermoderna’ do processo constitucional:
Um olhar sobre o direito processual brasileiro” Jânia Maria Lopes Saldanha

A pArAdoxAL fACE “hIpErModErNA” do proCESSo CoNSTITUCIoNAL: UM oLhAr SobrE o dIrEITo proCESSUAL brASILEIro

Jânia Maria Lopes saLdanha1

“Isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além”. paulo Leminski

R esumo : Análise da relação entre pós-modernidade, neoliberalismo e hipermodernidade e a consequência sobre as reformas processuais brasileiras que estabelecem a celeridade e a quantificação como os metavalores da jurisdição.

A bstRAct : Analysis of the relationship between post-modernity, neoliberalism and hypermodernity and the consequence on the Brazilian processual reforms that establish the celerity and the quantification as the meta-values of the jurisdiction.

P AlAvRAs -c hAve : J urisdição. Processo. Neoliberalismo. Hipermodernidade. Quantificação. K ey woRds : Jurisdiction. Process. Neoliberalism. Hypermodernity. Quantification.

Sumário: Introdução; parte 1 A relação circular entre pós-modernidade, neoliberalismo e hipermodernidade: A propósito de uma Jurisdição modelada; parte 2 Crônica de uma morte anunciada: As reformas que prestigiam a quanti-dade e desprezam a qualidade em um processo neoliberal; Considerações finais; referências.

introdução

No momento em que este artigo é escrito, encontra-se em curso no brasil o projeto de criação de um novo Código de processo Civil. parte dos homens ainda

1doutora em direito da Universidade do Vale do rio dos Sinos - São Leopoldo, rS, brasil. professora dos Cursos de Mestrado, doutorado e Graduação em direito da mesma Universidade. professora do Curso de direito da Universidade federal de Santa Maria - Santa Maria, rS, brasil. Este trabalho é produção parcial do projeto desenvolvido sob os auspícios do CNpq, coordenado pela autora e intitulado “Entre o neoliberalismo e a democratização: os relatórios do banco Mundial e os (im)pactos para a reforma do poder Judiciário brasileiro confrontados ao imperativo da desfuncionalidade estrutural” desenvolvido em rede por meio da atuação de pesquisadores de várias universidades, dentre elas a UNISINoS e a UfSM. E-mail: janiasaldanha@gmail.com

Estudios Constitucionales, Año 8, Nº 2 2010, pp. 675 - 706

Estudios Constitucionales, Año 5, Nº 2 2007, pp. 165 - 198

Page 676

Jânia Maria Lopes saLdanha

deposita valor no direito e na sua codificação para reger a vida em sociedade e para assim minimamente “socializar” a insociável sociabilidade humana de que já falara Kant. Entretanto, não se trata mais de pensar o direito apenas como expressão da vontade soberana dos Estados Nacionais. o mundo mudou.

Marcado por inumeráveis avatares, especialmente pelas duas grandes guerras, o cenário internacional a partir da segunda metade do Século xx foi paulatinamente ganhando cores múltiplas como expressão de abertura ao diálogo e no âmbito dos Estados a vinculação entre Constituições que assegurassem direitos fundamentais e democracia foi inexorável. dentre eles o acesso à Justiça que aqui deve ser compreendido como todo aquele que garante o devido processo legal, a ampla defesa, o contraditório e a fundamentação das decisões. Assim, a vigilância permanente e efetiva desse princípio transcende às jurisdições dos Estados e ganha fóruns internacionais a exigir uma mudança paradigmática do jurista para reconhecer no processo um direito constitucional fundamental que deve estar alinhado ao direito internacional. A relatividade histórica dos conceitos, como já lembrara Calamandrei, implica na necessária refundação da concepção de processo e jurisdição, dois pilares importantes do direito processual.

Entretanto, a maioria dos códigos de direito processual de países de tradição civil como a do brasil foi elaborada sobre as bases do direito romano canônico e num tempo de menor complexidade das relações jurídicas, da troca de comunicação e de informação. Assim, a tão falada crise do processo e da jurisdição não nasceu no vazio, mas sim em um contexto histórico em que novos direitos foram surgindo em decorrência de fatores culturais, econômicos, políticos e sociais que, somados, produziram novas categorias de demandas para as quais as estruturas processuais não podiam dar resposta satisfatória.

A emergência e o descumprimento dos direitos humanos de segunda, terceira e quarta gerações que surgiram no contexto do Estado Social e do Estado democrático de direito, forjaram paulatinamente uma reforma funcional dos sistemas processuais. Às novas categorias de direito material, agora para além das esferas privadas e individuais das pessoas, era necessário corresponder, no plano das demandas em Justiça, processo com procedimento adequado à sua satisfação do ponto de vista da hermenêutica constitucional do acesso à Justiça. Mas há de perquirir-se se essas experiências de reforma funcional foram acompanhadas de uma reforma estrutural relativa ao “ser” do processo e da jurisdição, uma vez não poderem mais ser lidos senão com as lentes do neoconstitucionalismo.

Nesse diapasão, neste texto pretende-se realizar uma abordagem reflexiva sobre o direito processual civil e a jurisdição no que diz respeito à possibilidade de que, ambos, estejam tomando feições aqui denominadas de “pós-modernas”.

676 Estudios Constitucionales, Año 8, Nº 2

2010, pp. 675 - 706

Page 677

a paradoxaL face “hiperModerna” do processo constitucionaL:

uM oLhar sobre o direito processuaL brasiLeiro

Como se sabe, o sentido que é atribuído a essa expressão é múltiplo. Tal multiplicidade existe na razão direta do olhar lançado sobre a contemporanei-dade por aquele que tenta definir a expressão, já que o faz do lugar que ocupa. Assim, qualquer pretensão à uniformidade é vã. Economistas, filósofos, juristas, politólogos e sociólogos, entre outros, o que têm em comum ao tratar do tema, é pensar a contemporaneidade não como algo dado, como uma totalidade, mas algo em construção, em cujo contexto, o cenário cultural, econômico, filosófico, jurídico, político e social, dá mostras de fortalecer elementos que são modernos, por um lado e, por outro, romper com os mesmos, a partir da criação de novas formas de civilidade.

A pretensão de esgotar o tema segura e mimeticamente repetiria o mito de Sísifo. Sendo assim, escolhe-se tratar da pós-modernidade –e ligar essa reflexão ao campo do direito processual– tomando-se como fonte de inspiração a obra de Jacques Chevallier. Mas nesse momento a partir de apenas um olhar, isto é, de uma pós-modernidade que se faz hipermoderna e então retroalimenta elementos que nasceram com a modernidade e sofreram processo de lapidação ao longo de quase quatro séculos.

Como refere Nicola picardi2, há uma vocação do tempo presente para a jurisdição, o que se expressa em âmbito mais global, uma vez serem os juízes os agentes mais ativos da chamada mundialização.3houve, como é sabido, uma inversão das tendências. de uma posição secundária a jurisdição passou a protagonista e o processo passou a ser o modo comum de resolução de setores inteiros como a família, os direitos sociais e a constitucionalidade das leis a demonstrar os desafios entre o ideal de querer viver em conjunto e as dificuldades da ação política.4A

judicialização da política internalizou essa complexidade e pode ser considerada resultado de dois fatores importantes: primeiro, da fragilidade dos sistemas políticos e, segundo, do quadro de declínio da reação dos governos às demandas da cidadania, como refere rosanvallon.5

2 picardi, Nicola. Jurisdição e processo. rio de Janeiro: forense, 2008, pp. 1-33.

3 Garapon, Antoine. aLard, Julie. Os juízes na mundialização. A nova revolução do direito. Lisboa: piaget,
p. 8. E isso ocorre, particularmente, em face do fenômeno da internacionalização do direito. Sobre essa problemática, vejam-se as lições de Mireille delmas-Marty ministradas no Seminário da Cátedra Estudos Jurídicos Comparativos e figuras da Internacionalização do direito junto ao Collège de france no ano de 2008, disponível em http://www.college-de-france.fr/default/EN/all/int_dro/index.htm. parte dessas lições esta traduzida e encontra-se postada junto ao Grupo de Estudos da obra de Mireille delmas-Marty junto ao ppG em direito da UNISINoS, coordenado pela ora autora. Trata-se do grupo grupo-de-estudos-delmasmarty@googlegroups.com.

[2] Garapon, Antoine. O guardador de promessas. Justiça e democracia. Lisboa: piaget, p. 48.

[3] rosanvaLLon, pierre. La contre-democracie. La politique à l’age de la défiance. paris: Seuil, 2006, pp. 232-233. 677 Estudios Constitucionales, Año 8, Nº 2 2010, pp. 675 - 706

Page 678

Jânia Maria Lopes saLdanha

Entretanto, o fenômeno mais significativo produzido pela exacerbação do número de demandas é o descompasso entre o direito processual e a) a natureza das demandas; b) a internacionalização das relações jurídicas e do direito e; c) a cultura da urgência, cujo traço marcante é a dinâmica permanente de mudança e que demarca a dominação sobre extensas esferas da vida social, tudo somado a reivindicar, no plano internacional, harmonização de regras processuais em reforço às bases da cooperação jurisdicional e, no plano interno dos Estados, a necessidade de reformas processuais.
por outro lado, a importância jurídico-político-social em analisar-se o processo e a jurisdição sob essa ótica, centra-se na própria crise do Estado. A queda na confiança da atuação da jurisdição, como se percebe em pesquisas realizadas,6

não deixa de ser expressão de uma crise maior que acomete o Estado num cenário rico de multiplicidades e que remete a uma crise mais genérica das instituições e dos valores produzidos no curso da modernidade no ocidente.
desse modo, pode-se pensar estar em...

Para continuar leyendo

SOLICITA TU PRUEBA